Nossa história

Paulo Roberto Silva

IMG_1441

Eu sou Paulo Roberto Silva, profissional de comunicação desde o finalzinho do século passado. Meu primeiro trabalho era coletar pesquisas de opinião no campo. Depois atuei na comunicação de uma campanha a prefeito – do PSTU, eu sei, foi um desastre, o candidato teve menos voto que eleição de DCE. Era estagiário na Editora Globo quando criaram a revista Quem Acontece – e lá estava eu. Também fui responsável pela comunicação do CENBIO (Centro Nacional de Referência em Biomassa), um grupo que pesquisava aplicações de biomassa como fonte de energia renovável.

Em 2003 comecei como repórter no DCI (Diário do Comércio, Indústria e Serviços). Ali fiquei quatro anos e cheguei a editor.  Pude acompanhar de perto a mudança do marco regulatório do setor elétrico, a consolidação da indústria petroquímica, a retomada da indústria de automóveis, a explosão dos preços das commodities e o impacto do crédito consignado no consumo. Também pude cobrir os impactos do novo Código Civil, da reforma do judiciário e da Lei de Falências, que criou a recuperação judicial.

Em 2006, um mês antes de nascer minha primeira filha, iniciei uma jornada de dez anos na Imagem Corporativa, onde comecei como analista de atendimento e cheguei ao time de sócios. Ali pude atuar no desenvolvimento de projetos de comunicação de alta complexidade, como prevenção e gestão de crises, reposicionamento de marca, reestruturação de área de comunicação, entre outros. Ajudei a abrir fábrica, fechar fábrica, apoiei varejista acusado de trabalho escravo, cientista alvo de campanha difamatória, estruturamos a divulgação de processos de fusão e aquisição, entre outros.

Até que em 2016 decidi que era hora de mais uma mudança. Aderi ao projeto da Comm Cloud por acreditar que o modelo tradicional de agência está em crise, embora a maioria ainda não tenha acordado para isso. Vi que uma estrutura ágil, enxuta, com parceiros trabalhando em rede, poderia atacar as principais vulnerabilidades do modelo: uma estrutura pesada, hierarquica e cara, a dificuldade de se tangibilizar o resultado, e o elevado nível de insatisfação nas relações de trabalho e agência-cliente.

E antes que eu me esqueça: tenho Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em América Latina da USP, sou fã do universo Marvel, meu gosto musical vai de Zeca Baleiro a Katy Perry e procuro ir à missa todos os dias.

Beatriz Bevilaqua

Beatriz_Bevilaqua
Eu sou a Beatriz Bevilaqua, paulistana de alma paranaense e apaixonada por tecnologia.  Graduada em jornalismo pela Universidade Estadual de Londrina e políticas públicas sociais pela USP. Sou MEGA versátil e já trabalhei em mil áreas diferentes, de telecomunicações ao agronegócio, de mercado de luxo ao ecossistema empreendedor brasileiro.  Em 2013 ganhei o primeiro lugar no Prêmio Sangue Novo no Jornalismo Paranaense, o que pra mim é até hoje a maior prova do reconhecimento do meu trabalho.
Na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Soja), era a redatora do jornal interno, cuidava da assessoria de imprensa e também era a responsável por imprimir e distribuir os jornais em cada núcleo. Não tinha moleza, eu era pau pra toda obra! Trabalhei na fazenda embrapiana por um ano e então decidi que já era hora de voltar para a selva de pedra e buscar novos desafios. Em São Paulo, entrei na agência de Comunicação Imagem Corporativa, onde tive a oportunidade de ser a responsável pela conta de Google Apps For Work e fornecedora de PR e conteúdo durante 3 anos consecutivos.  Ali pude também trabalhar com a aceleradora Startup Farm e um novo mundo se abriu para mim, pois me apaixonei pelo ecossistema empreendedor brasileiro e pelos programas de aceleração, sempre apresentando startups incrivelmente espetaculares.
Em 2016 decidi que era hora de mais uma mudança. Aderi ao projeto da Comm Cloud por acreditar que o modelo tradicional de agência está em crise. Aposto muito neste projeto e sei que vamos chegar longe!